segunda-feira, junho 04, 2007

Devia haver uma lei...

Actualmente, fazem-se leis para tudo. Proíbe-se o fumo em restaurantes e discotecas mesmo contra a vontade dos donos, limita-se em 500 euros a generosidade familiar isenta de impostos, até mesmo se pune um desgraçado que conta uma anedota inócua sobre o primeiro-ministro. Há úmas semanas atrás, li no Expresso a opinião de um artolas qualquer que defendia que se devia proibir o uso do sal na comida. Se não comêssemos sal, seríamos todos muito mais saudáveis. Se ninguém fumasse ao nosso lado, seríamos todos uns atletas, certamente.

Há tempos, defendi aqui que, antes de se ir atrás dos fumadores, se deveria pensar nos donos dos cãezinhos que emporcalham as ruas de Lisboa. Isso sim, era civismo!

No meio deste furor legislativo, admira-me como ainda ninguém se lembrou de uma outra medida que faz ainda mais sentido do que todas as outras. Hoje fui cortar o cabelo e sucedeu uma coisa que detesto - os dedos do barbeiro cheiravam a chouriço! Se há coisa que incomode mais do que isso, sinceramente não conheço.

Saliente-se que o fumador passivo pode mudar de sítio, ou mesmo pedir ao fumador que apague o cigarro. Os passeantes podem desviar-se da caganitas de cão. Um freguês desavisado não pode fazer nada quando lhe aparece um barbeiro com dedos que cheiram a chouriço! Qual é o momento mais indicado - quando ele tem uma navalha nas mãos e nos tira as medidas da nuca ou quando vai buscar a tesoura pontiaguda que agita à frente dos nossos olhos? Pois pois...
Para quando uma medida que de facto defenda os nossos direitos e proíba terminantemente os barbeiros de comerem chouriço em horário de expediente? Hein? Para quando um político com visão de futuro que acabe com esse martírio a que nos sujeitamos para dar cobertura aos chouriços dos barbeiros? É tudo a mesma corja, só querem é poleiro!

Etiquetas: ,

5 ComentÁrios:

Blogger joao disse...

O civismo não passa, nem passará por mais ou menos medidas legislativas como afirma.
Uma das manifestações de falta de civismo que mais me constringem dá-se quando entro num táxi: a música não eleita por mim, o cheiro a sovaco, as manifestações saudosistas, as inoportunas faltas de troco e o pior - os constantes palavrões a outros condutores. Ninguém poderá dar uma levíssima “buzinadela” a estes senhores?

05 junho, 2007 13:13  
Blogger El Ranys disse...

Epá, tá bem visto, pá.
E a sugestão do joao também está bem vista.
E não se pode exterminá-los, aos taxistas inconvenientes e aos barbeiros chouriçudos?

Bom, estou de volta a este amado país e, mais dia, menos dia, estarei também de volta à postagem aqui no RdM. Deste boa conta do recado, miúdo ;-)

05 junho, 2007 16:56  
Blogger Rantas disse...

Eh pá, obrigado, Ranys. Até me vieram as lágrimas aos olhos!

Não é todos os dias que se ouve um elogio do chefe

05 junho, 2007 22:36  
Blogger Redus Maximus disse...

Boa posta. Gostei do tema. colocam-se para trás temas verdadeiramente importantes como a reforma da educação, da saúde, da justiça em prol de outos bem menores como o tabaco ou de prendas superiores a 500 eur. O tema do Artolas despedido é muito grave.
Enfim o país tem muito por onde melhorar.
Diria que ter um barbeiro que cheira a chouriço ou um taxista brejeiro são apenas sintomas de falta de profissionalismo.

05 junho, 2007 23:44  
Anonymous MGP disse...

Via Blog "Tradução Simultânea" cheguei a uma reportagem no jornal inglês Telegraph, acerca das intenções do governo britânico de por nas garrafas de vinho e de outras bebidas alcoólicas...o mesmo tipo de avisos que já vemos nos maços de cigarros! Assim, brevemente numa garrafeira perto de si, poderemos ver garrafas a avisar-nos que beber o seu conteúdo poderá provocar uma bebedeira! :-)

08 junho, 2007 12:52  

Enviar um comentário

<< Home